quarta-feira, 24 de maio de 2017

O abismo da agitação

Uma vida demasiado repleta de agitação é uma vida esgotante que continuamente exige estimulantes mais fortes para provocar as emoções que acabam por ser consideradas  parte essencial do prazer. Uma pessoa habituada à demasiada agitação é comparável à que tem um desejo mórbido de pimenta e acaba por ser incapaz de lhe apreciar o sabor numa quantidade que sufocaria qualquer outra pessoa. Há sempre um certo aborrecimento quando se evita em demasia a agitação, mas,  por sua vez, a agitação demasiada não só enfraquece a saúde como embota o gosto para toda a espécie de prazeres, substituindo titilações por profundas satisfações orgânicas, habilidade por inteligência e impressões fugidias por beleza. Não pretendo exagerar os perigos da agitação. Uma certa quantidade talvez seja saudável, mas, como em quase todas as outras coisas, o problema é de ordem quantitativa. Uma dose demasiado pequena pode gerar desejos mórbidos e o abuso pode produzir o esgotamento. Certa capacidade para suportar o aborrecimento é pois essencial a uma vida feliz e isso era uma das coisas que deviam ser ensinadas aos jovens. 

(Bertrand Russell, em The Conquest of Happiness)

domingo, 21 de maio de 2017

A cegueira da motivação política e o apogeu da irracionalidade




Por Fabiano Horta
(UnB)

Há mais de 400 anos fundava-se a chamada “ciência moderna”. O nome pomposo nada mais significa que um método para conhecer as coisas que buscava se afastar das formas medievais de construção das verdades. Na “ciência moderna” o intelecto humano tomava parte, mas não sozinho. Era necessário que o intelecto tivesse “amarras”, “ferramentas” no que se sustentar. Reconhecia-se que a mente pouco consegue diferenciar imaginação de realidade. O autoconvencimento é, enfim, entendido como o maior problema do ato de “conhecer”. Crianças, por exemplo, levam alguns anos para perceberem que são diferentes do mundo externo. A bem da verdade, nos dias de hoje, uma quantidade impressionante de pessoas parece não ter atingido ainda esta percepção. Continuam acreditando que o mundo é tanto quanto sua crença diz que é. Sem ferramentas apropriadas, a realidade é somente o que a mim parece. Nada mais.
Esta perigosa crença não é nem medieval. Na Idade Média, existia um componente moral muito forte no conhecimento. Este componente, entretanto, era delimitado e definido por pessoas que tinham um conhecimento muito mais apurado do que a média da população. Hoje, estamos desconstruindo o conhecimento baseado na teoria do “eu acho”. Eu me convenço das coisas buscando o menor caminho entre a realidade e o que “eu acho”. Normalmente este menor caminho são memes, falsas informações e a negação da própria realidade.
Se eu me convenço de que A é corrupto, eu vou à realidade buscar apenas as informações que corroborem com a minha tese. Por menores e mais estranhas que sejam. Não há a preocupação de questionar-se, não há o interesse em exercitar uma humildade sadia: “Será que o mundo, as coisas, são, realmente, como eu penso que são?” O caminho para “provar” a minha verdade é assim:
Se A é corrupto, então A enriqueceu. Mas as evidências mostram que A não enriqueceu.
O racional seria, diante de uma resposta negativa para uma pergunta que eu faço ao mundo, eu questiono minha teoria. Talvez, apenas talvez, A não seja corrupto. É isto que se faz há 400 anos. É isto que o mundo, e o Brasil parece ter esquecido.
Diante da dor de perceber que a realidade não é como eu quero que seja, eu nego a realidade. De forma irracional e ilógica mesmo.
Se A é corrupto, e eu não consigo provar que A enriqueceu, então A esconde o fruto de sua corrupção. Logo A deve provar que não esconde.
Veja que o delírio irracional não submete A à prova da riqueza – que já foi descartada no primeiro questionamento. Não se trata de perguntar a A se ele tem riqueza. Trata-se de exigir que ele prove que não está escondendo. Mas como fazer prova negativa? Como eu provo que não escondo? Como eu provo que não sei? Como eu provo que não tive? Se ao fazer a prova eu apenas fortaleço a irracionalidade de quem me acusa?
Se desnudarmos A e nada encontrarmos, tanto mais claro fica que A está escondendo, já que eu não encontrei em A o que tenho certeza. O efeito da ocultação de A é o mesmo efeito de A não ter o que eu acho que A tem.
A, portanto, não tem; e pode não ter por realmente não ter, ou pode não ter por estar ocultando. A razão me diz para seguir o primeiro: se eu não acho em A o que penso que ele tem, meu pensamento está errado. A irracionalidade trilha o segundo caminho. Se eu não acho em A o que eu penso que ele tem, A é um ocultador magistral.
Dizendo de outra forma, se o mundo não é exata e tão somente o que eu penso que ele seja, errado está o mundo. Esta irracionalidade bebe de um narcisismo intelectual que acredita que eu conheço o mundo e o faço de forma inquestionável. Para me manter neste caminho eu tenho que negar tudo e todos que, de alguma forma, conhecem e enxergam diferente. Eu tenho que retirar deles o direito mesmo de conhecer ou, ao menos, sua vontade de questionar.
O Brasil vive esta distopia. Em todos os campos, foram criados mecanismos de irracionalidade que se apoiam no sentimento psicológico do egocentrismo narcisista. “Eu sou tal que conheço”, a despeito dos outros, das evidências e das teorias em contrário. “Eu tenho esta capacidade inata de conhecer perfeitamente”.
Isto estanca o sentimento de inferioridade de quem efetivamente não conhece, através da desqualificação daquele que conhece. Isto é chamado de anti-intelectualismo. Como quem não conhece é, normalmente, maior em número do que quem conhece, o argumento da maioria entra em jogo. Tudo vira opinião, e se toda opinião tem o mesmo valor o número de opiniões define a realidade.
Conhecer passa a ser um defeito se for crítico. É preciso calar os críticos. É preciso conter os que conhecem, negar-lhes legitimidade. “Conhecem? Não! Usam um “falso conhecer” com o objetivo (político) “de me convencer de que o meu conhecimento é errado”. Quando o conhecer é submisso, então ele é benéfico, ele é bom. Quando o conhecer serve para reforçar o que “eu já penso sobre a realidade”, este conhecer “reforça o meu ego”, chancela o que “eu digo sobre o mundo”. Logo, ele é um conhecimento cheio de virtudes.
Não é à toa que os primeiros atos do governo Temer foram atacar a ciência, a educação e os professores. Todos. O conhecimento virou uma mercadoria de pouco valor, e que pode ser substituída por qualquer outra, ao gosto de quem detém o poder econômico. A educação virou um trabalho dos mais desimportantes, quase marginalizado. Seus profissionais estão sendo tratados como mão de obra descartável.
O efeito disto é que um congresso pode se dar anistia de dívidas e, ao mesmo tempo, prejudicar milhões de trabalhadores, porque a mídia diz “que isto será bom para você”.
O efeito disto é que um tribunal superior pode dizer qualquer coisa diferente da Constituição porque, afinal, o tribunal diz-se acima do pacto político que criou a própria Constituição.
O efeito disto é que um indivíduo gravado, filmado, rastreado cometendo crimes, tem a “cara de pau” de vir a público dizer que é tudo falso. Que aquela realidade inexiste. Que é tudo política.

------------------------------------
Título original: 'A Razão em Transe'. 

sábado, 20 de maio de 2017

Incertezas, um período de caos pela frente e o xadrez dos zumbis

Por Luis Nassif

Peça 0 – a lógica do caos
O ponto de partida é entender a lógica do caos. Não há um comando estabelecido, nem um script pré-definido. Existem atores mais ou menos relevantes, respondendo a impulsos, sem que ninguém tenha controle sobre a resultante final. 
Os protagonistas principais vão se adaptando as circunstâncias, de maneira a preservar seus interesses, saltando de uma onda para outra, pulando obstáculos de maneira a não perder a liderança.
Desse modo, fatos novos que mudam a atitude de um dos personagens, imediatamente obrigam a um rearranjo dos demais atores.

Peça 1 – o papel de Rodrigo Janot
O novo movimento foi deflagrado pelo Procuradoria Geral da República (PGR) Rodrigo Janot, com a delação da JBS.
Há um conjunto de fatores mal explicados. Há tempos a JBS está sob investigação. Marcelo Miller, do grupo da Lava Jato ligado a Rodrigo Janot, anuncia sua saída do Ministério Público Federal (MPF) no dia 6 de março passado (https://goo.gl/uDZZ4h). Era homem da estrita confiança de Janot, trabalhando em sua assessoria pessoal para a área criminal.
O grampo de Joesley Batista em Michel Temer foi no dia 7 de março (https://goo.gl/uDZZ4h). O que significa que a preparação da operação controlada – e a decisão de Miler de deixar o MPF e assessorar a JBS – ocorreu no mesmo período.
Deixemos de lado, por enquanto, a participação de pessoas ligadas à Lava Jato, ou próximas dos principais protagonistas, no milionário mercado dos honorários para assessorar delações. E mesmo a suspeita de que o procurador Ângelo Goulart Villela, preso na operação, tenha sido uma espécie de boi de piranha. Não há nenhuma prova maior a respeito. Fica apenas o registro da suspeita.
O ponto central é que a operação resolvia dois problemas simultaneamente. Do lado da JBS, a possibilidade de limpar a área no Brasil e acertar o acordo de leniência com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, conseguindo se transformar em empresa norte-americana.
Do lado de Janot, a possibilidade de, pela primeira vez, assumir o protagonismo na Lava Jato, em um momento em que, no final de mandato, estava enfraquecido perante a categoria e o Ministério Público Federal (MPF) arriscado a perder a prerrogativa de eleger o PGR.

Peça 2 – o papel da Globo
Dois pontos chamam a atenção no desempenho da Globo.
O primeiro, o sigilo absoluto sobre a operação – e mesmo sobre a própria posição da Globo – provocando uma desorganização ampla no disciplinadíssimo esquadrão de comentaristas da emissora. 
Os desempenhos da Mirian Leitão e de Ricardo Noblat foram bastante elucidativos. O primeiro movimento de Mirian foi uma defesa do governo, dando voz ao insuspeito Eliseu Padilha. Quando O Globo deu a freada de arrumação – o editorial pedindo o impeachment -, imediatamente Mirian soltou uma nota em seu blog dizendo que, à luz dos últimos acontecimentos, o governo Temer estava no chão. Mais ágil que eles foi Luciano Hulk, retirando do Twitter as fotos de amizade eterna com Aécio.
O segundo ponto foi o rapidíssimo alinhamento da Globo com a tese do impeachment. Nenhuma surpresa. Até então, era a principal madrinha da posse de Temer. A divulgação dos malfeitos de Temer e quadrilha tem o condão de ressuscitar a tese das diretas. A estratégia adotada, então, foi cavalgar a onda do impeachment, sair na frente pedindo o impeachment, vender o peixe da isenção jornalística – assim como a Lava Jato do PGR (não confundir com a Lava Jato de Curitiba) – e vender a boia da salvação de um novo governo garantindo as tais reformas. Que, com Temer, mostravam poucos sinais de serem aprovadas.

Peça 3 – o desmanche da frente do golpe
Aí entram em cena dois integrantes fortes do cartel da mídia, a Folha e o Estadão.
Ambos enfrentam crises financeiras agudas e dependem fundamentalmente do pacote de bondades montado por Eliseu Padilha e quadrilha. São doses maciças de publicidade e patrocínios para eventos, da Petrobras e de outras estatais, escondendo o nome dos patrocinadores.
Não vai dar certo. Ambos não têm controle sobre Tribunal de Contas e outros órgãos para passarem isentos por essa extravagância – de patrocínios em off.
Por outro lado, não teriam fôlego para recompor o pacote de publicidade governamental caso a crise da sucessão seja prolongada. E não poderiam correr o risco de uma sucessão que optasse por não reafirmar as juras de amor desinteressado com a quadrilha de Temer.

Peça 4 – os próximos lances
Aqui, se entra no imponderável. A Globo é o único dos veículos que ensaia lances estratégicos. Mas, como bom estrategista brasileiro, só consegue imaginar um lance na frente.
Ao mesmo tempo, o PSDB parece ter se dado conta dos riscos de uma nova aventura do impeachment. Seu único elo com o poder é Temer. Com a destruição das principais lideranças do partido, sem o anteparo dos cargos no governo Temer, haveria uma revoada imediata sabe-se lá para onde.
A aposta em Henrique Meirelles é furada. Desde 2.010 repousa nas gavetas indevassáveis da PGR um inquérito contra Meirelles por crime tributário (https://goo.gl/z5BVWz). Ele faz parte da geração de filhos de Anápolis, que inclui, entre outros, a família Batista e Carlinhos Cachoeira.
Aliás, outra dica de pauta: as imbricações entre o bicho e a expansão inicial da JBS. O comendador Arcanjo – outro dos campeões do bicho de Goiás – foi um dos financiadores dos maiores sojicultores do estado, através de lavagem de dinheiro. Nas conversas de Joesley com Temer, ambos acertam formas de pressionar Meirelles embora, até agora, não haja nenhum indício maior de que as pressões tenham sido 
bem-sucedidas.
Um outro agente inseguro é o próprio mercado. No tambor do revólver da Lava Jato há a delação de Antônio Palocci que pode pegar grandes bancos, elucidar episódios pouco esclarecidos do CARF e alguns episódios pesados, de como o Pactual comprou o silêncio da imprensa.
Outro, a economia como um todo, exposta mais vez a esses jogos de poder. O estrago que vier pela frente será debitado, agora, ao exercício indiscriminado de poder pela Globo.
Por outro lado, os grampos de Joesley apenas registraram o que está ocorrendo à luz do dia no governo e no Congresso, um assalto despudorado, desesperado, do qual o melhor exemplo é Aécio Neves arrostando perigos para arrancar os derradeiros R$ 2 milhões da JBS.
Como resistir à enxurrada de lama das demais delações? Independentemente da motivação das denúncias, não dá mais para varrer debaixo do tapete o que apareceu.
A sobrevida de Temer dependerá exclusivamente da maior ou menor rapidez dos diversos personagens em reconstruir alianças e definir interesses. E, principalmente, em convergir para um nome, caso emplaquem eleições indiretas.
A recomposição política brasileira passará, em algum ponto do futuro, por um amplo pacto em torno das eleições diretas, a única maneira de reconstruir a coesão social.
Não há saída possível fora de uma reconstrução do centro. Mas, seguramente, a crise ainda não produziu o grau de amadurecimento necessário.
Haverá ainda um bom período de caos, antes de se produzir a nova ordem.

-------------------------------
Fonte: http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-dos-zumbis-da-politica-e-as-diretas. Título original: 'Xadrez dos zumbis da política e as diretas'. 

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Emoções e sentimentos

Por António Damásio
(Neurocientista)) 

emoção é um programa de ações, portanto, é uma coisa que se desenrola com ações sucessivas. É uma espécie de concerto de ações. Não tem nada a ver com o que se passa na mente. 
É despertada pela mente, mas acontece com ações que ocorrem dentro do corpo, nos músculos, coração, pulmões, nas reações endócrinas. Sentimentos são, por definição, a experiência mental que nós temos do que se passa no corpo. É o mundo que se segue (à emoção). Mesmo que se dê muito rapidamente, em matéria de segundos, primeiro são ações, e pode-se ver sem nenhum microscópio. Você pode me ver tendo uma emoção, não vê tudo, mas vê uma parte. Pode ver o que se passa na minha cara, a pele pode mudar, os movimentos que eu faço, etc., enquanto o sentimento você não pode ver. 
O sentimento eu tenho e você não sabe se eu tenho ou não tenho. E se você tiver um sentimento de profunda tristeza, mas se me quiser enganar, e quiser comportar-se como se estivesse alegre, vai me enganar mesmo, porque eu não posso saber o que está dentro da sua cabeça. 
Isso é uma diferença fundamental. É a diferença entre aquilo que é mental e aquilo que é comportamental. É uma reação inata, o sistema de reações é inato e desencadeado por um determinado processo, geralmente um processo intelectual, uma coisa que se percebe, se ouve, que se vê, etc., e depois acontece dentro do corpo dessa forma complexa. Essa é a grande diferença. E como é evidente, é mais fácil perceber o que se passa objetivamente do que perceber uma coisa que se passa dentro da mente de outrem. 
Existe grande inter-relação entre o cérebro e a sociedade que construímos. Para ele, nossa consciência se molda a partir do ambiente, mas a pessoa social também é determinada pela biologia e por fenômenos que podem ser estudados pela neurobiologia. Assim, é possível abordar temas como religião, justiça e política. Apesar de sermos, em grande parte biologia, não somos só biologia, mas também frutos da civilização, o que cria espaço para a individualização. 
As emoções são programadas pela educação que recebemos e pela biologia, tanto que podemos encontrar precursores em outros seres com vida social, embora sem a mesma complexidade. Já os sentimentos permitem, por exemplo, aprender e prever situações vantajosas, fundamental para a capacidade de planejar, além de abrir as portas da imaginação, do conhecimento, da consciência e de uma cultura complexa. 
Emoções geram sentimentos, atos racionais, e estes são utilizados para a aprendizagem.


Criminosos, a república dos moralistas sem moral e o desabafo do filho de Teori Zavascki

Dos fatos que estão a chocar o Brasil, capitaneados por Michel Temer e a linha de frente que derrubou Dilma Rousseff, um dos mais repugnantes é o que, em conversa gravada em que pede propina de R$ 2 milhões, Aécio Neves, ao se referir ao emissário que vai coletar o valor, diz: "Tem que ser um que a gente mate ele antes de fazer delação." Já eram diversas as denúncias e insinuações contra o presidente nacional do PSBD a respeito do seu envolvimento com ilícitos e atividades criminosas. A referida declaração parece soar sintomática. Diante da gravidade dos fatos, Francisco Prehn Zavascki, filho do ex-ministro do STF Teori Zavascki e responsável pela Lava Jato no Supremo (morto em um "misterioso acidente", ainda não explicado), fez um desabafo emocionado sobre o "mistério" que cobre de dúvidas a morte de seu pai, e que, passado já um bom tempo do fatídico, continua sem explicação por investigações conclusivas. Segue aí abaixo a repercussão do desabafo no portal gaúcho RBS. De tudo isso, uma das ilações a ser tirada é que estamos a viver numa república de moralistas sem moral, e que ainda se acham no direito de opinar, com "gaguejo subimperialsita",  sobre a situação política em outros países da América Latina. 



Por Silvana Pires

Em um post publicado no Facebook nesta quarta-feira (17), apagado logo depois, o filho do ex-ministro do STF Teori Zavascki, Francisco Prehn Zavascki, acusa o PMDB de tentar barrar a Operação Lava-Jato a qualquer custo.
"Derrubaram a Dilma e assumiu o Temer. Do que eles são capazes? Será que só pagar pelo silêncio alheio? Ou será que derrubar avião também está valendo?”, postou. 
Francisco afirma que Teori, morto num acidente aéreo em Parati em 19 de janeiro de 2017, sabia o quanto cada um estava afundando no mar de corrupção e não era por acaso que o pai estava aflito com o ano de 2017.
"Aflito ao ponto de me confidenciar que havia consultado informalmente as Forças Armadas e que tinha obtido a resposta de que iriam sustentar o Supremo até o fim!", escreveu. 
No texto, Francisco também lembrou o dia do velório do pai, quando o presidente Michel Temer viajou até Porto Alegre acompanhado, entre outros, do ministro Eliseu Padilha (Casa Civil), do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do senador José Serra (PSDB-SP).
"Que gente sínica [sic]. Não tem coisa que me embrulha mais o estômago do que lembrar que, no dia do velório do meu pai, diante de tanta dor, ainda tive que cumprimentar os membros daquele que foi apelidado naquele mesmo dia de o ‘cortejo dos delatados’”. 
Francisco pediu desculpas pelo desabafo e concluiu dizendo: “Não tenho como não pensar que não mandaram matar o meu pai!”.

Leia abaixo a transcrição na íntegra do post:
O PMDB está no poder desde sempre e, como todos sabemos, estava com o PT aproveitando tudo de bom que o Governo pode dar... até que veio a Lava jato. 
A ordem sempre foi a de parar a Operação (isto está gravado nas palavras dos seus líderes). Todavia, ao que parece, até para isso o PT era incompetente e, ao que tenho notícia, de fato, o PT nunca tentou nada para barrar a Lava Jato (ao menos o pai sempre me disse que nunca tinham tentando nada), o que sempre gerou fortes críticas de membros do PMDB. 
O problema é que as investigações começaram a ficar mais e mais perto e os líderes do PMDB viram como única saída, realmente, brecar a Operação a qualquer custo. Para isso, precisava do poder. Derrubaram a Dilma e assumiu o Temer. Do que eles são capazes? Será que só pagar pelo silêncio alheio? Ou será que derrubar avião também está valendo? 
O pai sabia de tudo isso. Sabia quanto cada um estava afundando nesse mar de corrupção. Não é por acaso que o pai estava tão afilho [sic] com o ano de 2017. 
Aflito ao ponto de me confidenciar que havia consultado informalmente as Forças Armadas e que tinha obtido a resposta de que iriam sustentar o Supremo até o fim!
Que gente sínica [sic]. Não tem coisa que me embrulha mais o estômago do que lembrar que, no dia do velório do meu pai, diante de tanta dor, ainda tive que cumprimentar os membros daquele que foi apelidado naquele mesmo dia de o “cortejo dos delatados”. 
Impeachment já!
Desculpem o desabafo, mas não tenho como não pensar que não mandaram matar o meu pai!

-------------------------------
Fonte: http://gaucha.clicrbs.com.br/rs/noticia-aberta/nao-tenho-como-nao-pensar-que-nao-mandaram-matar-meu-pai-escreve-filho-de-teori-em-rede-social-195797.html


terça-feira, 16 de maio de 2017

Um cronista da História em movimento: alucinação do dia a dia, delírio com coisas reais

Por Pedro Sprejer 

Em 1993  muito antes de seu sumiço voluntário  Belchior estava praticamente fora do mainstream da chamada MPB. Pouca gente ouvia seus discos mais recentes e suas canções já não chegavam ao rádio. O pouco lembrado “Bahiuno”, lançado naquele ano, é uma obra reveladora da personalidade e do que pensava o compositor cearense. É, ao mesmo tempo, uma impressionante reflexão sobre sua geração e sobre os sonhos e descaminhos daqueles que compartilharam utopias nos anos [19]60 e [19]70.
Alguns versos do disco são assombrosamente atuais. Segure aí o seguinte trecho de “Lamento do marginal bem sucedido”:  “Ah! Enquanto essas senhoras e esses senhores viram o jogo contra nós/e põem o mundo a seu favor - que horror!/ Conversação de marginais sobre terra devastada em meio a nossa guerra civil/desde Cabral o Brasil é Brasil”.
Outros versos ilustram o sentimento de desconforto de quem havia exaltado as novidades vindas nos ventos libertários dos anos [19]70 e agora se deparava com as reviravoltas dos anos [19]90.  “Baby/Enquanto um velho mestre de blues radioativa nas ondas sonoras do carro/ tome um fósforo e, ao gosto dos anjos, acenda o último cigarro/Que aquele bêbado lhe deu/E blues lamente comigo os tempos cínicos e cruéis/para o caubói delicado que você diz que sou eu”.
Mesmo lamentoso, o cowboy delicado de bigode grosso, voz grave e sorriso largo nunca foi um ressentido. Pelo menos é o que atestam os testemunhos  de pessoas que o conheceram ao longo da vida, inclusive nos momentos mais duros. Era um artista nato, febril, quase louco na forma como submergia na criação.
Difícil precisar em que momento o “marginal bem sucedido” foi se distanciando do público. Apesar do isolamento, Belchior teria conservado  hábitos como escrever, compor e pintar, até o final. Talvez apenas porque não pudesse parar. Como cantara muitos anos antes, em “Divina Comédia Humana”: “Eu canto, enquanto houver/espaço, tempo, corpo/ e algum modo de dizer não”.
Foi um intransigente e cantou sua  rebeldia: “Ao pastor de minha igreja reza/que essa ovelha negra jamais vai ficar branquinha/Não vendi a alma ao diabo/O diabo viu mau negócio nisso de comprar a minha”. E, sozinho, traçou seu caminho no mundo, atravessado por influências eruditas e populares. Viveu,  mesmo sem aderir a projetos políticos, os idealismos arrebatadores de sua época: “Conta aos amigos doutores que abandonei a escola pra cantar em cabaré/ Baiões, Bárbaros, baihunos, com a mesma dura ternura que aprendi na estrada e em Che”
“Amar e mudar as coisas me interessa mais” foi talvez um dos mais emblemáticos versos do compositor cearense. Desses que se pixam nos muros até hoje. Bebeu de tudo e com todos. Conheceu de perto os hippies, o movimento estudantil de esquerda, as ideias do Maio de 68, a revolução do corpo. Tendo vivido profunda experiência católica na juventude, transformou-se  em um anarquista declarado, como afirmou em entrevista ao Pasquim de 1982:  “Por exemplo: eu achava que cabia aos estudantes pensar as alternativas para uma mobilização política que não fosse capitalista ou socialista. Queria uma experiência anarquista, no sentido mais rígido da palavra, uma experiência desordenadora. Imaginava que podíamos aproveitar a oportunidade do movimento estudantil pra ser algo mais que caudatário do movimento político institucional”.
As canções de Belchior revolveram as angústias, os dilemas, os ideais e as expectativas de uma época. Foi a tarefa que assumiu – árdua tarefa –, como declarou em [19]76 à jornalista Ana Maria Baiana: “Minha música está muito em cima dos fatos, eu quero dar assim um balanço da minha geração, dos anos [19]60. Não quero apontar caminhos, soluções, mas dar uma geral em tudo o que aconteceu, voltado para o futuro, para o que vai vir. O que já está vindo, aliás”
Claro que o futuro mostrou-se muito diferente do que se esperava. Em [19]93, na canção “Baihuno”, Belchior fotografaria outras duas transformações que marcaram o fim  ou talvez uma interrupção momentânea  dos ideais cultivados pela sua geração. “Cai o Muro de Berlim  cai sobre ti, sobre mim/ Nova Ordem Mundial/ Camisa-de-força-de-vênus/ Ah! quem compraria, ao menos, o velho gozo animal?”. O fim do socialismo como força política global alternativa, a AIDS se impondo como energia repressiva, o prazer vendido como mercadoria.
Talvez Belchior sentisse mesmo tudo desabar, mas seguia. Alguns versos adiante, pareciam intuir o caminho que tomaria 14 anos depois: “Já que o tempo fez-te a graça de visitares o Norte, leva notícias de mim/O cara caiu na vida, vendo seu mundo tão certo, assim tão perto do fim”.
Em seus melhores momentos, Belchior era uma antena captando mudanças, um cronista da História em movimento. Antirreacionário por excelência, não reagia negativamente às mudanças, limitava-se a observá-las, transformando o estranhamento em canções-comentário. Toda sua obra parece beber na seminal “The times they are a-changing”, na qual Bob Dylan advertia os reacionários e acomodados: “É melhor você começar a nadar, senão afundará feito uma pedra/ Pois os tempos estão mudando”.
Em 1977, um ano após lançar a obra-prima “Alucinação”, Belchior declarou à Ana Maria Baiana que seu projeto de carreira já estava todo definido em detalhes na sua cabeça e que não faria concessões. “É preciso muita lucidez para não ceder, ficar com a cabeça no lugar. Eu, por exemplo, tinha uma série de fatores considerados negativos pela indústria do disco: a voz que era estranha, o fato de abordar temas, como dizer, ásperos, e o fato de não ser exatamente um cantor galã. Eu podia ter amaciado meus temas, feito jogadas. Mas não fiz.”
Aparentemente, ele já divisava as armadilhas que envolviam o contraditório posto de pop star rebelde: “Sei que agora corro outro risco, o de ficar preso a uma fórmula, ser, como você disse, uma espécie de contestador oficial’”.
“Tenho falado à minha garota/ Meu bem, difícil é saber o que acontecerá/Mas eu agradeço ao tempo/O inimigo eu já conheço/ Sei seu nome, sei seu rosto, residência e endereço/A voz resiste/A fala insiste/Você me ouvirá” (“Não leve flores”)

Origens
Alguns anos antes de se lançar como compositor, Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes foi seminarista. No monastério da Ordem Menor dos Capuchinhos, em Guaramiranga (CE), ele era mais conhecido como o Frei Sobral. Ali, como mostra o capítulo já divulgado da aguardada biografia do cantor, urdida pelo jornalista Jotabê Medeiros, o jovem religioso aprofundou sua paixão pela literatura, conheceu preceitos filosóficos marcantes em sua trajetória e entrou em contato com um modo de introspecção profunda, um cultivo da solidão como virtude. Além de rigoroso nas penitências, jejuns e demais provações religiosas, Belchior divertia os outros seminaristas com suas emboladas e repentes.  Virtuoso, diz-se que podia passar até três horas improvisando versos seguidamente. Era um talento incontrolável.
A vida regrada de seminarista duraria três anos. Ao fim dos quais Belchior percebeu que não era a fé, mas, sim, o gosto pelo estudo, que o atraíra para a vida monástica. Ao Pasquim, ele falou sobre a experiência:
“Nesse tempo (vivido no mosteiro), completei o curso de Filosofia, o que foi muito importante, tendo aprendido latim, pois podendo ler os textos no original me desvencilhei de todo o entulho religioso que até ali tinha atravancado minha cabeça. Ainda hoje leio os textos religiosos tradicionais - Bíblia, São Tomás de Aquino, Santo Agostinho - em latim”.
Pouco depois de largar os capuchinhos, foi para Fortaleza estudar Medicina, mas, logo, trocou o projeto de virar doutor pela música. Agitou espetáculos, realizou programas de TV, juntou-se a uma turma de jovens compositores. Entre eles, ilustres cearenses como Ednardo, Fagner, Rodger e Teti.
Anos depois, uma parte da turma abraçou a ideia de um disco em conjunto. O grupo se autointitulou “Pessoal do Ceará”. Belchior não embarcou no projeto. “Não faz muito sentido pra mim, esse determinismo geográfico”, justificou-se.  “Não preciso enfatizar minhas raízes, enfatizar meu cearensismo. Eu faço coisas cearenses em qualquer circunstância, porque tenho o Ceará dentro de mim”
Belchior se considerava marcado a ferro e fogo “pela exposição ao universo sonoro do nordeste, que é uma coisa fortíssima”. As influências regionais, porém, se confundiam com uma miscelânea de outras: “A nordestinidade é uma coisa que só pode ser vista do sul. A típica música nordestina também. Eu não tinha nenhuma preocupação seletiva. Eu ouvia tudo, como todo o povo de Sobral ouvia”.
Sobre sua formação musical na infância, ele contou ao Pasquim: “Meu avô, um coronel do sertão, tocava sax e flauta. Minha mãe cantava no coro de igreja. Foi ouvindo eles, as músicas de violeiros, o serviço de alto-falante, que comecei a gostar de música. O alto-falante era uma maravilha, sonorizava toda a amplidão do sertão”
Após passar pelo Rio, onde venceu o Festival Universitário da Canção, em [19]71, foi para São Paulo. Lá tocou em “quase todos os lugares onde é possível cantar: escolas, praças, fábricas, hospitais, prisões, circos, caminhões. Até em teatros”. Era uma espécie de vagabundo iluminado de Kerouac  e, ao mesmo tempo, um operário incansável da canção.
Os tropicalistas eram vistos por ele como precursores, quase como irmãos mais velhos que deviam ser superados. A pretensão de Belchior não era pequena: “Nós (os músicos cearenses) fomos influenciados por eles (os tropicalistas), pelas propostas deles. E por isso mesmo não se pode ficar parado. É preciso continuar, ir adiante no que os baianos fizeram”.
Em 1988, ele chegou a declarar ao repórter Thales de Menezes que, sentindo sua missão na música quase concluída, estava investindo em outro projeto artístico. Tratava-se, tão somente, de uma colossal coleção de 3 mil desenhos ilustrando “A Divina Comédia”, de Dante, a maior das suas muitas obsessões literárias.

O Último Capítulo

Por mais que os depoimentos sobre os últimos anos do compositor venham aparecendo aqui e ali, não é possível entender  e talvez nunca será  o que se passou na sua cabeça. Belchior teria se lançado ao famoso “dropout” (se jogar, largar tudo) dos hippies e demais libertários dos [19]60 e [19]70?
O trovador solitário deixou para trás a família, imóveis, bens e projetos não terminados (onde teriam ido parar os desenhos da Divina Comédia?).  
Sua sombra na vida nova foi o outro Belchior, o astro. Aquele que nunca o deixaria fugir em paz, viver anônimo. Pelos relatos que vão surgindo, sua vida itinerante logo virou uma bola de neve, uma teia de aranha. O mundo cobrou a conta. A imprensa o encontrou.
Chegado ao hedonismo, Belchior nunca foi investidor ou poupador. Sobre acumular dinheiro, ele havia dito ao Pasquim, em [19]82:
“As pessoas que falam em guardar dinheiro não sabem ou se esquecem de que existem os charutos perfumados, as mulheres bonitas, os bons vinhos, de que é importante a gente ver o Oriente, a Europa, e de que a acumulação do dinheiro, além de ser chato, não tem mais significado numa sociedade contemporânea de serviços e de comunicação eletrônica veloz”.
O compositor não esteve só em sua última jornada, mas ao lado de Edna, uma jornalista que conheceu em 2005. Alguns amigos antigos do cantor acreditam que ela o dominava, acusam-na até de ter feito nele uma espécie de “lavagem cerebral”. Outros, que conviveram com o casal nos últimos anos, o achavam dependente dela. Seria difícil e até injusto, porém, estabelecer qualquer tipo de parecer ou julgamento sobre a relação.
Em Santa Cruz do Sul, destino final da viagem, onde viveu de favor na casa de amigos entre 2013 e 2017, o cantor teria passado a maior parte do tempo recluso. De acordo com aqueles com quem conviveu, atravessava os dias fazendo aquilo que vinha fazendo há muitos anos: escrevendo, lendo e pintando. Alheio ao redemoinho da vida, não se preocupava com mais nada: vivia tranquilo e bem humorado, apesar da falta de garantias.
Belchior conseguiu o que desejava quando decidiu largar tudo e quase todos, ou caiu numa armadilha? É melhor ficar com a dúvida do que atribuir à história ares de tragédia e ao seu autor a marca da loucura. Belchior foi apenas um inesquecível rapaz latino-americano do seu tempo, que terminou (assim como começou) sem dinheiro no banco e, aparentemente, com o mesmo coração selvagem.
Para finalizar, mais um trecho da entrevista ao Pasquim:
Ricky - Você continua apenas um rapaz latino-americano?
Belchior - Claro, sou um brasileiro comum.
Ricky - Só que agora com dinheiro no banco.
Belchior - Não é bem isso. Eu não confiaria nos bancos a esse ponto. Ainda tenho uma formação brechtiana.



---------------------------------------
Fonte: O Palma. Título original: 'Belchior, Retrato da Alma'.